31 outubro 2008

Octacampeão

Os campeões nacionais antes de 1971, ano em que foi criado o Campeonato Brasileiro, preparam um requerimento para ser enviado à CBF. O objetivo do grupo, liderado pelo Santos Futebol Clube, é que o órgão considere os títulos da Taça Brasil, disputada entre 1959 e 68, e do Torneio Roberto Gomes Pedrosa (ou Taça de Prata - 1967 a 70), como conquistas de campeonato brasileiro. O Peixe tem cinco conquistas de Taça Brasil (61/62/63/64/65) e um do Torneio Roberto Gomes Pedrosa, em 68, além dos campeonatos brasileiros de 2002 e 2004. A ficha santista no site da Fifa apresenta oito títulos nacionais. O órgão máximo do futebol não diferencia as diferentes competições e considera o Peixe octacampeão nacional. Agora, o clube espera que a CBF também modifique o seu critério. A idéia foi apresentada pelo Santos a representantes de Bahia, Botafogo, Palmeiras, Cruzeiro e Fluminense, times campeões nacionais antes da criação do atual Brasileirão. O supervisor José Carlos Peres, que cuida do escritório do Santos em São Paulo, afirma que o documento elaborado na última segunda-feira já conta com as assinaturas dos presidentes de Cruzeiro, Bahia, Botafogo, Palmeiras e Fluminense. “O apoio é incondicional. Em bloco, vamos lutar até conquistar a equiparação dos títulos brasileiros”. Caso a CBF unifique os títulos nacionais de 1959 a 1970 aos de 1971 a 2007, Palmeiras e Santos passam a ser os maiores vencedores do Brasileirão, com 8 conquistas cada.
12333 Palmeiras Octa = 1960/67/67/69/72/73/93/94

12333 Santos Octa = 1961/62/63/64/65/68/2002/04
12333 Campeões da Taça Brasil:
12333 1959 – Bahia

12333 1960 – Palmeiras
12333 1961 – Santos
12333 1962 – Santos
12333 1963 – Santos
23333 1964 – Santos
23333 1965 – Santos
12333 1966 – Cruzeiro
23333 1967 – Palmeiras
12333 1968 – Botafogo
12333 Campeões da Taça de Prata (Robertão):
12333 1967 – Palmeiras

12333 1968 – Santos
12333 1969 – Palmeiras
12333 1970 – Fluminense
178

30 outubro 2008

Feliz Fogão 2009!

O acesso do Guarani-SP na Série C não será tão fácil como sua torcida chegou a imaginar. Nesta quarta-feira, o time campineiro foi até Goiânia e sofreu sua terceira derrota consecutiva ao perder para o Atlético-GO, por 2 a 0, no Estádio Serra Dourada. Após um início animado do Bugre, o Atlético logo tomou conta do jogo e abriu o placar com Marcão, o artilheiro da Terceirona, com 23 gols, aos 27 minutos. Depois disso, se resguardou, apostando nos contra-ataques. E foi assim que chegou ao segundo gol, na metade da etapa final, com André Leone, que substituiu o matador Marcão. Campinense-PB e Águia Marabá-PA continuam empatados em todos os critérios e na noite desta quarta-feira, mais uma vez empataram, desta vez o resultado foi 1 a 1. O jogo no Mangueirão teve domínio do Campinense, mas que não conseguiu passar pela defesa dos paraenses. Mostrando força e poder de reação, o Duque de Caxias-RJ goleou o Brasil-RS, por 4 a 1. A suspensão do STJD, que impede o time fluminense de disputar a Série B ou C no ano que vem, parece não ter abalado o time fluminense, que não perde há três jogos. Depois de um primeiro turno ruim, o Rio Branco-AC começou bem a reta final do octogonal. O time não tomou conhecimento do Confiança-SE e venceu por 4 a 1, jogando no Estádio Arena da Floresta. A vitória ainda não tirou o Estrelão da lanterna da competição, posição que ocupa com sete pontos, mas deu novo ânimo ao elenco, já que a equipe passou a ter chances de acesso.
123411 1º - Série C – Octogonal Final
234411 1º - Atlético-GO, 18
123411 2º - Águia Marabá-PA, 12
123411 3º - Campinense-PB, 12
123411 4º - Confiança-SE, 11
333411 5º - Brasil-RS, 10
123411 6º - Guarani-SP, 10
332411 7º - Duque de Caxias-RJ, 10
123423 8º - Rio Branco-AC, 7
123423 9º - Artilheiros:
123423 9º - Marcão (Atlético-GO), 23
123423 9º - Marcelo Brás (Rio Branco-AC), 15
123
178
O ano de 2007 foi traumático para o Botafogo por causa de resultados decepcionantes. Mas ele ficou marcado principalmente pela alta rotatividade da camisa 1. Foram nada menos do que cinco goleiros, numa troca que parecia não ter fim. Mas o Fogão resolveu o problema no início de 2008, com Castillo e Renan. Apesar da reposição errada de bola do jovem goleiro Renan, que gerou o primeiro gol do São Paulo no jogo desta quarta-feira, os números mostram que o Botafogo encontrou mesmo a solução para a sua meta. No ano passado, Julio César (35 jogos), Max (21), Roger (7), Lopes (5) e Marcos Leandro (4) se revezaram no gol. Mas em 2008, apenas Castillo (47 partidas) e Renan (26) vestiram a camisa 1 do Alvinegro, o que deixa clara a estabilidade. Esse fator também se traduz num melhor rendimento da defesa. Em 2007, o Botafogo disputou 69 partidas e sofreu 100 gols, média de 1,44. Na atual temporada, o Alvinegro tem 69 jogos e apenas 69 gols sofridos, média de 1 gol por jogo.
178123
123

A poucos dias para a disputa final da Fórmula 1, em Interlagos, a equipe italiana Ferrari esteve presente nas areias de Copacabana. Com uma escultura de um carro da escuderia aparentemente atolado na areia, feita por um artista local, a praia carioca ganhou um toque diferente nesta quarta-feira. O trabalho chamou a atenção de vários banhistas, que se reuniram em volta do carro para tirar fotos e apreciar a beleza da obra.
Um surfista ficou impressionado com a perfeição do carro, que homenageou o brasileiro Felipe Massa.
178

29 outubro 2008

Fortaleza 0x1 Marília

Pela Série B, o Marília conquistou sua primeira vitória fora de casa, ao bater o Fortaleza, por 1 a 0, na capital cearense. Antes desta partida, os paulistas tinham um retrospecto de três empates e 13 derrotas longe de seus domínios. Com os três pontos, o MAC deixou a zona de rebaixamento e pulou para o 16º lugar, com 37 pontos. Pior para o Leão do Pici, que figura na 18ª posição, com 36 pontos e com 75% de chances de rebaixamento. O Marília abriu o placar logo aos quatro minutos de jogo, com Leandro Amaro.
O zagueiro subiu no terceiro andar para cabecear o escanteio batido da direita. O leve desvio do jogador foi fatal para vencer o arqueiro do Fortaleza. Após o gol, o MAC seguiu pressionando o time da casa, que tinha dificuldades para sair do campo de defesa. No entanto, depois do meio da etapa inicial, o Fortaleza cresceu no jogo e passou a criar oportunidades de empatar a partida.
Na segunda etapa, o time cearense voltou melhor e seguiu pressionando. Empurrado pela torcida, o Fortaleza não parou de lutar sequer um minuto para se livrar da ameaça do rebaixamento.
No entanto, o MAC se manteve sólido na defesa e segurou o resultado até o apito final.
Sem vencer há quatro jogos, resta ao Fortaleza cinco rodadas para conseguir três vitórias que lhe garantam a permanência na segunda divisão nacional.
12345 Fortaleza 2x1 América-RN
12333 Fortaleza
2x2 Ceará
12345 Fortaleza
2x2 Ponte Preta (F)
12333 Fortaleza 2x2 CRB
33333 Fortaleza
0x1 Marília
12333 Fortaleza 5
x5 Santo André (F)
12333 Fortaleza 5x5 São Caetano
12333 Fortaleza 5
x5 Barueri (F)
23333 Fortaleza 5x5 Bragantino (F)
23333 Fortaleza 5x5 Brasiliense

123

28 outubro 2008

Ademir da Guia

Foi nos campinhos de terra batida de Bangu - subúrbio carioca onde nasceu - que Ademir teve seus primeiros contatos com a bola. Naqueles primeiros anos da década de 50, o garoto ainda não era reconhecido pelo sobrenome ilustre, afinal, seus colegas de pelada - assim como ele - não haviam visto o grande mestre Domingos da Guia encantar os brasileiros com suas roubadas de bola. Por isso, o pequeno Ademir não tinha nenhuma regalia.
Mas, mesmo assim, ele diz que era considerado um dos melhores.
"Naqueles jogos, dois garotos escolhiam o time. E eu era sempre o primeiro a ser chamado 123123 primeiro a ser chamado".
Com suas passadas largas e ritmo cadenciado, ele parecia jogar em slow motion. Só que não era bem assim, ele era um falso lento. Nem Pelé usaria tão bem aquela camisa 10 verde quanto Ademir da Guia. E aqui não cabe discussão. Adeptos incondicionais da controvérsia, os torcedores do Palmeiras só são capazes de ser unânimes em duas coisas na vida: no ódio ao Corinthians e no amor a Ademir da Guia. Tamanha reverência poderia ser explicada pela longevidade de dezesseis anos de Parque Antártica ou pela quantidade de doze títulos oficiais conquistados. Mas o talento de Ademir vai além das simples estatísticas. Filho de Domingos da Guia, um dos maiores zagueiros do Brasil em todos os tempos, começou a jogar no infantil do Bangu, mas foi levado ao Palmeiras logo no começo dos anos 60. Assinou seu primeiro contrato em agosto de 1961, três dias antes do aniversário do clube. Um presente e tanto. Ele parecia lento com suas passadas largas, mas o ritmo da equipe estava sempre acelerado. Em meio à Era Pelé, só o Palmeiras de Ademir conseguia beliscar títulos. Foi assim em 1963 e 1966. Quando o Santos perdeu fôlego, o Palmeiras se tornou o melhor time do Brasil. O sucesso que teve no Palmeiras, porém, nunca encontrou equivalência fora do Parque Antártica. Foi convocado escassas doze vezes para a Seleção Brasileira e seu único Mundial foi o de 1974, quando passou todo o tempo no banco de reservas e só entrou na última partida, a decisão do terceiro lugar contra a Polônia. Foi substituído e o Brasil perdeu. Mágoa? Talvez, mas Ademir da Guia é um cavalheiro e diz que do futebol só guardou felicidade. Não ficou rico, mas teve o reconhecimento da torcida do Palmeiras. É um dos raros jogadores a ganhar estátua no Parque Antártica. "Sem Ademir da Guia o Palmeiras é menos Palmeiras", definiu o treinador Rubens Minelli ainda nos anos 60. Ademir da Guia seria um pouco menos do que foi se não houvesse um homem chamado Dudu jogando ao seu lado. Os dois formaram o que muitos amantes do futebol consideram a dupla ideal, uma espécie de Pelé-Coutinho do meio-campo. A raça e a combatividade de Dudu eram complementadas à perfeição pela maestria e sensibilidade de Ademir da Guia. Os dois foram protagonistas do Palmeiras por doze anos.
1Nome: Ademir da Guia
Nascimento: 03/04/1942 no Rio de Janeiro-RJ
Clubes: Bangu (1960 a 1961), Palmeiras (1961 a 1977)
Seleção Brasileira: 12 jogos; nenhum gol.
Títulos: Campeão Paulista (1963, 1966, 1972, 1974 e 1976), Campeão Brasileiro (1972/73), do Robertão (1967 e 1969), da Taça Brasil (1967) e do Torneio Rio-SP (1965).
123

27 outubro 2008

RJ na Série B

O Central S C, de Barra do Piraí, foi o primeiro clube do Rio de Janeiro na segunda divisão nacional. Em 1971, o Central enfrentou o Villa Nova-MG na primeira fase. Empatou em 2x2 o primeiro duelo e perdeu o jogo da volta por 1 a 0, ficando fora da segunda fase.
Em 1982, o Campo Grande Atlético Clube derrotou o CSA-AL por 2 a 1, no segundo jogo final, e conquistou o único título da Segundona para o estado do Rio. O Americano foi o clube que mais representou o RJ na Série B, com 10 participações.
178
Há cinco edições que a Série B não tem representante do Rio de Janeiro. O último clube fluminense que participou da segunda divisão nacional foi o Botafogo, vice-campeão em 2003.
Com a suspensão do Duque de Caxias na Série C e a iminente recuperação de Fluminense e Vasco na Série A, possivelmente, não teremos clube do Estado do Rio na segunda divisão em 2009. Ou teremos?
1970: Clubes do Estado do Rio na Série B nacional:
1971: Central(20º)
1980: Bonsucesso(18º)
1980: Americano(23º)
1980: Bangu(24º)
1980: Goytacaz(41º)
1980: Campo Grande(44º)
1980: Serrano(55º)
1981: Americano(9º)
1981: Campo Grande(18º)
1981: América(23º)
1981: Volta Redonda(45º)
1981: Serrano(46º)
1982: Campo Grande (Campeão)
1982: América(6º)
1982: Volta Redonda(10º)
1982: Americano(17º)
1983: Americano(12º)
1983: Bangu(13º)
1983: Volta Redonda(33º)
1983: Bonsucesso(35º)
1984: Volta Redonda(16º)
1984: Goytacaz(27º)
1984: Campo Grande(31º)
1985: Goytacaz(2º)
1985: Americano(8º)
1986: Americano(6º)
1986: Goytacaz(10º)
1987: Bangu(4º)
1988: Americano(4º)
1989: Itaperuna(7º)
1989: Americano(21º)
1989: América(23º)
1989: Cabofriense(42º)
1989: Bangu(48º)
1989: Volta Redonda(53º)
1990: Itaperuna(13º)
1990: Americano(23º)
1991: Americano(6º)
1991: Bangu(16º)
1991: Itaperuna(29º)
1991: Campo Grande(33º)
1991: América(43º)
1992: Bangu(23º)
1992: Itaperuna(24º)
1992: Americano(25º)
1994: Americano(4º)
1994: Bangu(22º)
1995: Bangu(8º)
1995: Americano(12º)
1996: Americano(13º)
1996: Volta Redonda(14º)
1997: Americano(13º)
1997: Volta Redonda(19º)
1998: Fluminense(19º)
1998: Volta Redonda(21º)
1998: Americano(24º)
2000: Bangu(8º)
2000: América(23º)
2000: Americano(25º)
2001: Americano(14º)
2002: Americano(21º)
2003: Botafogo(2º)

123

26 outubro 2008

São Caetano 3x1 Bahia

O São Caetano fez o dever de casa contra o Bahia e segue sonhando com o acesso na Série B. O time paulista bateu o tricolor baiano, por 3 a 1, e ficou a oito pontos da zona de acesso.
Melhor no início da partida, o Azulão abriu o placar aos 20min.
Após jogada pela esquerda de Rafina, a zaga tentou cortar, mas falhou e a bola sobrou para Tuta, que bateu forte para vencer Darci. O segundo tento não demorou a sair. Aos 25min, Luan invadiu a área e cruzou. No meio do caminho, Rogério tocou com a mão na bola e o árbitro marcou pênalti. Na cobrança, o próprio Luan esbanjou categoria e fez o segundo. Na etapa final, o Bahia chegou a equilibrar e quase marcou aos 31min. Marcelo Ramos subiu sozinho de cabeça e obrigou Luiz a fazer um verdadeiro milagre para evitar o gol dos visitantes. Aos 37min, o Bahia chegou a marcar, com Marcelo Ramos, mas o atacante estava impedido. Aos 40, no entanto, não teve jeito. Após cruzamento, Jones completou. No minuto seguinte, Andrezinho desafogou o São Caetano e definiu o placar. O lateral recebeu na entrada da área e soltou a bomba no ângulo de Darci para marcar um golaço.
12xxxx 01º - Série B – 32ª Rodada
12xxxx 0 - Corinthians, 70
12xxxx 0 - Avaí-SC, 59
12xxxx 0 - Santo André, 55
12xxxx 0 - Vila Nova, 54
12xxxx 0 - Barueri, 51
12xxxx 0 - Juventude, 49
12xxxx 0 - Bragantino, 49
12xxxx 11º - Bahia, 42
12xxxx 17º - Fortaleza, 36
12xxxx 18º - Marília, 34
12xxxx 19º - Gama-DF, 32
12xxxx 20º - CRB-AL, 19
12xxxx 20º - 12Artilheiros:
12xxxx 23 gols, Túlio Maravilha (Vila Nova)
12xxxx 13 gols, Pedrão (Barueri)
12xxxx 13 gols, Dentinho (Corinthians)
12xxxx 13 gols, Nunes (Bragantino)

123 123
** ** ** ** **
124A grande sensação da Série C é o Atlético Goianiense. Neste sábado, pela 7ª rodada do octogonal decisivo, o rubro-negro goiano foi a Campinas e goleou o favorito Guarani-SP. Mesmo jogando no Estádio Brinco de Ouro da Princesa com grande público, o Atlético-GO fez 3 a 0.
O atacante Juninho abriu o placar no primeiro tempo. Marcão e Wesley completaram na etapa final. Com a vitória, o Atlético-GO dispara na liderança da fase final, com 15 pontos. O Bugre caiu da vice-liderança para a sexta colocação, com 10 pontos. No estádio Lourival Batista, em Aracaju, o Confiança-SE tropeçou e não saiu de um empate com o lanterna Rio Branco-AC, em 2 a 2.
O Águia Marabá-PA foi até Campina Grande e empatou com o Campinense-PB, em 2 a 2. Com o resultado, o clube paraense subiu para a terceira colocação, com 11 pontos, continuando firme na briga pelo acesso, surpreendo muita gente que não acreditava que o clube pudesse fazer boa campanha na fase final. Já o Campinense-PB lamentou o empate em casa, mas ainda faz parte do G4, ocupando a quarta colocação, com 11 pontos. O Brasil-RS não repetiu as últimas boas atuações no estádio Bento de Freitas e apenas empatou com o Duque de Caxias-RJ, em 1 a 1. Com a igualdade, o Brasil perdeu a chance de voltar a figurar no G4, e com 10 pontos, é o quinto colocado
123411 1º - Série C – Octogonal Final

234411 - Atlético-GO, 15
123411 - Confiança-SE, 11; -1
123411 - Águia Marabá, 11; -2
123411 - Campinense-PB, 11; -2
333411 5º - Brasil-RS, 10; +2
123411 - Guarani-SP, 10; 0
332411 7º - Duque de Caxias-RJ, 7
123423 - Rio Branco-AC, 4
123423 9º - Artilheiros:
123423 9º - Marcão (Atlético-GO), 22
123423 9º - Marcelo Brás (Rio Branco-AC), 14
123
** ** ** ** **
124

25 outubro 2008

Fortaleza 2x2 CRB

O Fortaleza não conseguiu deixar a zona do rebaixamento da Série B ao empatar, por 2 a 2, com o CRB, no Castelão. O tricolor cearense entrou em campo nervoso e foi facilmente envolvido pelos contra-ataques do quase rebaixado CRB. O time alagoano chegou aos 2 a 0 com certa facilidade. O primeiro saiu aos 10min, numa falta cobrada por Marcos. A bola desviou no caminho e enganou o goleiro Rodolpho. O CRB marcou o segundo gol aos 29min, quando Anderson Paim fez o cruzamento pelo lado esquerdo na cabeça de Júnior Amorim. O artilheiro não comemorou por já ter atuado pelo Fortaleza. Em seguida, o técnico Heriberto da Cunha acertou o esquema, tirando o apático meia Raul para a entrada do rápido Osvaldo, aberto no lado direito do ataque. Na sua primeira boa jogada saiu o primeiro gol cearense. Osvaldo passou por dois adversários e deixou a bola para o chute de Josimar, de fora da área. A bola desviou na defesa e tirou o goleiro Jonatas do lance, aos 33min. Na segunda etapa, aos 10min, saiu o empate do Leão do Pici. Rinaldo desceu pelo lado direito, invadiu a grande área e cruzou na medida para Osvaldo, que em velocidade, completou para as redes. Depois disso, o Fortaleza manteve a pressão diante de um CRB já sem forças para os contra-ataques, mas não conseguiu o gol da virada. O resultado, pelo retrospecto dos dois times, surpreendeu, mas acabou sendo justo.
O tricolor cearense ficou com 36 pontos, em 17º lugar, enquanto o CRB, na lanterna, com apenas 19 pontos, evitou a sua queda matemática.
178
123
123
Virtualmente rebaixado para a terceira divisão, o lanterna CRB conseguiu apenas 4 vitórias em 32 rodadas da Série B:
12345 CRB 1x0 Criciúma (4ª rodada)
12345 CRB 2x1 Brasiliense (11ª rodada)
12345 CRB 3x0 Paraná (18ª rodada)
12345 CRB 4x2 São Caetano (21ª rodada) (F)

123

24 outubro 2008

Dinamite 190 neles!

Roberto Dinamite, artilheiro em 1974 e em 1984, é o maior goleador da história do Brasileirão.
O atacante fez 190 gols em 326 jogos, média de 0,58. Outros dois ídolos vascaínos aparecem logo depois. Romário é o segundo da lista com 155 gols. Edmundo passou Zico em 2006 e está em terceiro com 152 gols. Se o Animal pudesse incluir os três gols da goleada por 4 a 1 do Figueirense sobre o Juventude, em 2005, estaria empatado com o Baixinho. Mas o caso do juiz Edílson anulou o jogo e os gols para efeito de estatística.
1234 Os 10 maiores goleadores da história do Brasileirão:
1234 190 - Roberto Dinamite
1234 155 - Romário
1234 152 - Edmundo
1234 135 - Zico
1234 129 - Túlio Maravilha
1234 125 - Serginho Chulapa
1234 113 - Dadá Maravilha
2344 101 - Evair
2234 095 - Washington
1234 093 - Reinaldo

123

Os 152 gols do Edmundo no Brasileirão foram marcados com a camisa de sete clubes, entre 1992 e 2008: 78 gols pelo Vasco; 34 pelo Palmeiras; 15 pelo Figueirense; 13 pelo Santos; 7 pelo Fluminense; 3 pelo Cruzeiro e 2 gols pelo Flamengo.

Os 152 gols do Edmundo em 15 edições do Brasileirão:
2344 1992: 08 – Vasco
1234 1993: 11 – Palmeiras
1234 1994: 09 – Palmeiras
1234 1995: 02 – Flamengo
1234 1996: 09 – Vasco
1234 1997: 29 – Vasco
3412 1999: 13 – Vasco
2334 2000: 13 – Santos
1234 2001: 03 – Cruzeiro
1234 2003: 07 – Vasco
1234 2004: 07 – Fluminense
2334 2005: 15 – Figueirense
2334 2006: 10 – Palmeiras
2234 2007: 04 – Palmeiras
1234 2008: 12 – Vasco

23 outubro 2008

Atlético Goianiense

O equilíbrio da Série C persiste e a briga pelo acesso no octogonal final deve continuar intensa até o final. Nos jogos desta quarta-feira, mais uma vez os times que jogaram em casa fizeram valer o mando de campo e saíram vencedores, com exceção do
Rio Branco-AC, que parece não ter mesmo forças para reagir.
O time acreano perdeu para o Atlético-GO, novo líder da competição. O time goiano apostou nos contra-ataques e se deu bem. Aos 18 minutos, Juninho recebeu lançamento cara a cara com o goleiro, escolheu o canto e bateu com força para estufar as redes. Com o Rio Branco fazendo pressão, o Atlético acertou mais um lance rápido e aumentou o placar. Aos 20 minutos, Juninho recebeu na entrada da área e bateu no ângulo. Sabendo da necessidade da vitória, o Rio Branco foi com todos os jogadores para cima e, de tanto insistir, conseguiu fazer o seu gol. Marcelo Brás fez boa jogada e no cruzamento, Testinha livre, completou para o fundo das redes. Jogando em Aracaju, o Guarani-SP não conseguiu segurar a pressão do Confiança-SE e perdeu por 2 a 1. O Duque de Caxias-RJ se recuperou das três derrotas seguidas e venceu o Águia Marabá-PA, por 1 a 0, em Volta Redonda.
A vitória levou o time fluminense aos sete pontos, mas ainda na penúltima colocação. Outro time que se manteve com dez pontos é o Campinense-PB, que sucumbiu ao Brasil-RS e foi goleado por 4 a 0. O time gaúcho, por sua vez, se recuperou de duas derrotas seguidas e mostrou que é um forte candidato ao acesso.
123
Atacante Juninho,
8 gols na Série C.
123
Nome:
Júnior César Moreira da Cunha
123
Nascimento:
05/04/1985, Goianápolis-GO
123
Altura/Peso:
1,67m/58 kg
123
Clubes:
Anápolis, Itumbiara, Vila Nova e Atlético-GO
123
123

123411 1º - Série C – Octogonal Final
234411 1º - Atlético-GO, 12
123411 2º - Guarani-SP, 10; +3
123411 3º - Confiança-SE, 10; -1
123411 4º - Águia Marabá-PA, 10; -2
333411 5º - Campinense-PB, 10; -2
123411 6º - Brasil-RS, 9
332411 7º - Duque de Caxias-RJ, 7
123423 8º - Rio Branco-AC, 1
123423 9º - Artilheiros:
123423 9º - Marcão (Atlético-GO), 21
123423 9º - Marcelo Brás (Rio Branco-AC), 14
125

22 outubro 2008

Poema Erótico

Em um momento de descontração, o grande poeta mineiro Carlos Drummond de Andrade escreveu:
Satânico é meu pensamento a teu respeito, e ardente é o meu desejo de apertar-te em minha mão, numa sede de vingança incontestável pelo que me fizeste ontem. A noite era quente e calma e eu estava em minha cama, quando, sorrateiramente, te aproximaste. Encostaste o teu corpo sem roupa no meu corpo nu, sem o mínimo pudor! Percebendo minha aparente indiferença, aconchegaste-te a mim e mordeste-me sem escrúpulos. Até nos mais íntimos lugares. Eu adormeci. Hoje quando acordei, procurei-te numa ânsia ardente, mas em vão. Deixaste em meu corpo e no lençol provas irrefutáveis do que entre nós ocorreu durante a noite. Esta noite recolho-me mais cedo, para na mesma cama te esperar. Quando chegares, quero te agarrar com avidez e força. Quero te apertar com todas as forças de minhas mãos. Só descansarei quando vir sair o sangue quente do seu corpo. Só assim, livrar-me-ei de ti, pernilongo Filho da Puta!

123

Estudiantes 2x0 Botafogo

Quase um ano depois da traumática eliminação para o River Plate, em Buenos Aires, o Botafogo voltou a sofrer em território argentino e foi derrotado pelo Estudiantes por
2 a 0, em La Plata, pelo primeiro confronto das quartas-de-final da Copa Sul-Americana. Atuando com um jogador a mais durante um tempo inteiro, mesmo assim o alvinegro não conseguiu sair do Estádio Ciudad de La Plata com um bom resultado e vê a sua situação ficar mais difícil para seguir vivo no torneio internacional. Mesmo com um a menos desde os 18min e apesar de tentar mais, o time argentino quase foi vazado no final do primeiro tempo, na melhor oportunidade do duelo. Aos 45min, depois de falha de passe de Verón, Jorge Henrique aproveitou e lançou rapidamente Wellington Paulista. Na frente do goleiro, o atacante conseguiu sair da marcação, mas finalizou de esquerda para fora, quando o gol estava vazio.
O Estudiantes chegou às redes aos 12min da segunda etapa, quando o goleiro Castillo saiu mal em cobrança de escanteio e viu Boselli tocar para o fundo da meta botafoguense.
Com o golpe, o Fogão se descontrolou e assistiu ao domínio dos rivais, que passaram a tocar a bola no campo de ataque. Com isso, cinco minutos depois, Verón aproveitou uma desatenção na marcação, avançou sozinho pelo meio e finalizou com força para marcar belo gol e empolgar de vez os torcedores argentinos. Satisfeito com o resultado, o Estudiantes passou a administrar a vantagem e esperar o Botafogo em seu campo de defesa. Sem conseguir furar o bloqueio argentino, os atletas do time alvinegro insistiram até o final, mas não conseguiram impedir nova derrota na Argentina, que deixa mais difícil a classificação para a semifinal.
**** FELIZ FOGÃO 2009! ****
123

21 outubro 2008

Força, Vascão!

Na lanterna da Série A com apenas 27 pontos, o C.R.Vasco da Gama parece condenado pela matemática a disputar, pela primeira vez em sua história, a Série B do Brasileirão. Em trinta rodadas, o clube do Mestre Ambrósio conseguiu apenas 7 vitórias, e a possibilidade de cair, segundo o matemático Tristão Garcia, é de 83%, a maior entre as equipes que lutam contra o descenso no Brasileirão. “O Vasco não pode olhar para trás. Se ele se der conta do que está fazendo, o time se suicida.
Os parâmetros são assustadores. Quem analisa a tabela apenas pela pontuação, não consegue ver a dimensão do mau momento da equipe. A sorte é que ele ainda terá cinco dos oito jogos restantes em casa”, diz Tristão Garcia.
Quatro vezes campeão brasileiro, o Vasco da Gama participou de todas as edições da primeira divisão nacional:
1971: 12º 1972: 0 1973: 14º 1974: 0 1975: 20º
1976: 12º 1977: 12º 1978: 0 1979: 0 1980: 0
1981: 0 1982: 10º 1983: 0 1984: 0 1985: 11º
1986: 13º 1987: 10º 1988: 01989: 0 1990: 12º
1991: 11º 1992: 0 1993: 20º 1994: 12º 1995: 20º
1996: 18º 1997: 0 1998: 10º 1999: 0 2000: 0
2001: 11º 2002: 15º 2003: 17º 2004: 16º 2005: 12º
2006: 0 2007: 10º
12312312312312312333 Vasco da Gama -1999
Sem vencer há 9 jogos, o Vasco da Gama precisa de, no mínimo, cinco vitórias nas oito partidas restantes para escapar da degola do rebaixamento:
Xxxx Vasco 1x0 Portuguesa (F)
Xxxx Vasco 1x1 Botafogo
Xxxx Vasco 1
x2 Grêmio (F)
Xxxx Vasco 1x3 Cruzeiro
Xxxx Vasco 1
x3 Náutico
Xxxx Vasco 0
x2 Palmeiras (F)
Xxxx Vasco 1x3 Ipatinga (F)
Xxxx Vasco 2x4 Figueirense
Xxxx Vasco 2
x2 Sport (F)
Xxxx Vasco 0x1 Flamengo
Xxxx Vasco 5
x5 Goiás (F)
Xxxx Vasco 5x5 Atlético-PR
Xxxx Vasco 5
x5 Fluminense (F)
Xxxx Vasco 5x5 Santos
Xxxx Vasco 5
x5 Atlético-MG (F)
Xxxx Vasco 5x5 São Paulo
Xxxx Vasco 5
x5 Coritiba (F)
Xxxx Vasco 5x5 Vitória
123

20 outubro 2008

Mauro Zárate

Destaque no Campeonato Argentino e na Taça Libertadores da América pelo Vélez Sarsfield em 2005 e 2006, o jovem atacante Mauro Zárate por pouco, muito pouco, não acabou entregue ao ostracismo. No ano passado, antes mesmo de ficar marcado como herói no Mundial Sub-20 disputado no Canadá – fez o gol do título argentino, aos 41 minutos do segundo tempo, na complicada final diante da República Tcheca –, fora negociado com o obscuro Al Sadd, do Qatar (clube já defendido por Romário). O valor? Uma “simples” bagatela de aproximadamente 20 milhões de dólares. Após um curto período de seis meses no Oriente Médio, transferiu-se, por empréstimo com opção de compra, para o Birmingham City, onde disputou 14 jogos e marcou quatro gols. Em junho, foi emprestado a Lazio, da Itália, em troca de 3 milhões de euros.
Atual artilheiro do Campeonato Italiano com 6 gols, Mauro Zárate mede apenas 1,76m e é mais um daqueles jogadores argentinos que lembram Maradona. Embora destro, Zárate apresenta uma excelente capacidade de arremate e condução de bola com os dois pés, sendo esta uma das suas principais características, provocando grandes dificuldades aos seus adversários.
Nome: Mauro Matías Zárate
Nascimento: 18/03/1987, em Haedo, Argentina.
Clubes: 2004-2007: Vélez Sarsfield-Argentina
Clubes: 2007-2007: Al-Sadd-Qatar
Clubes: 0000 2008: Birmingham City-Inglaterra
Clubes: 0000 2008: Lazio-Itália

178
*** *** *** *** ***
178

O Guarani-SP assumiu a liderança do Octogonal Final da Série C ao vencer o lanterna Rio Branco-AC, por 3 a 1, de virada, no Estádio Brinco de Ouro. Esta foi a terceira vitória consecutiva do Bugre, dando a impressão de que vai confirmar seu favoritismo e voltar à Série B, em 2009. A A rodada mostrou que, aos poucos, os melhores times vão se encaixando nas primeiras posições. A surpresa, por enquanto, é o Águia, de Marabá, que atingiu os 10 pontos ao vencer, de virada, o Brasil-RS, por 2 a 1, no Mangueirão, em Belém. No Estádio Serra Dourada, o Atlético Goianiense conseguiu outra goleada, desta vez sobre o Confiança-SE, por 6 a 0. No Estádio Ernani Sátiro, em Campina Grande, o Campinense não deu chances ao Duque de Caxias e saiu de campo com a vitória por 3 a 1.
123411 1º - Série C – Octogonal Final

234411 - Guarani-SP, 10; +4
123411 - Campinense-PB, 10; +2
123411 - Águia Marabá-PA, 10; -1
123411 - Atlético-GO, 9
333411 5º - Confiança-SE, 7
123411 6º - Brasil-RS, 6
332411 7º - Duque de Caxias-RJ, 4
123423 8º - Rio Branco-AC, 1
123423 9º -
Artilheiros:
123423 9º - Marcão (Atlético-GO), 21
123423 9º - Marcelo Brás (Rio Branco-AC), 14

123

19 outubro 2008

Bahia 0x3 Corinthians

O Corinthians ficou a uma vitória de voltar à elite do futebol brasileiro.
Na tarde deste sábado, o Timão venceu o Bahia, por 3 a 0, no Estádio Jóia da Princesa, diante de 11.784 pagantes.
Com isso, o Corinthians devolveu a derrota sofrida no primeiro turno e alcançou o 13º jogo sem derrota. O duelo começou com o Corinthians mais centrado e apostando nas jogadas de velocidade, aproveitando as chegadas do Bahia.
Em um desses lances, Dentinho acreditou na velocidade e ganhou escanteio, aos oito minutos. Cristian cobrou na primeira trave e o baixinho Morais subiu sozinho e tocou de cabeça para marcar o primeiro gol. O Corinthians manteve a mesma postura do primeiro tempo também no segundo. Com isso, aproveitou as jogadas em velocidade e aproveitou os erros dos baianos. Aos 11, Bebeto recebeu dentro da área e ajeitou para Dentinho, o atacante chutou no canto direito, sem chances para o goleiro Darci. Após duas boas chances do Bahia, foi o Corinthians que chegou ao terceiro. Aos 33, Dentinho recebeu na entrada da área e bateu forte. A bola fez uma curva e entrou no canto esquerdo baixo do goleiro Darci.
A vitória corintiana quebrou um jejum de 11 anos sem vitória sobre o Bahia. O último triunfo alvinegro sobre os baianos ocorreu em 1997 (2 a 1, na Fonte Nova). De lá para cá, foram cinco derrotas e dois empates.
12xxxx 01º - Série B – 31ª Rodada
12xxxx 0 - Corinthians, 67
12xxxx 0 - Avaí-SC, 56
12xxxx 0 - Santo André, 55
12xxxx 0 - Barueri, 51; 16v
12xxxx 0 - Vila Nova, 51; 15v
12xxxx 0 - Ponte Preta, 48; +7
12xxxx 0 - Bragantino, 48; +4
12xxxx 11º - Bahia, 42
12xxxx 17º - América-RN, 34; 9v
12xxxx 18º - Marília, 34; 8v
12xxxx 19º - Gama-DF, 32
12xxxx 20º - CRB-AL, 18
12xxxx 20º - 12Artilheiros:
12xxxx 23 gols, Túlio Maravilha (Vila Nova)
12xxxx 13 gols, Pedrão (Barueri)
12xxxx 13 gols, Dentinho (Corinthians)
123

18 outubro 2008

Casagrande

Há duas semanas fora da clínica de reabilitação, o ex-jogador Walter Casagrande Júnior, que passou um ano internado lutando contra a dependência química, participou do programa Altas Horas, da TV Globo.
Em sua primeira entrevista após a revelação do seu vício, ele contou o drama que viveu e agradeceu muito o apoio da família, que o ajudou na recuperação. “Eu procurava a droga por frustração e melancolia e elas só me traziam mais frustração e mais melancolia. Minha família foi fundamental na recuperação. Eles me apoiaram muito”, diz o ex-atleta. Casagrande contou que iniciou a sua recuperação graças a um acidente de carro no dia 22 de setembro do ano passado. “Tive um grave acidente de carro, fiquei três dias em coma e, quando acordei, já estava internado na clínica de reabilitação, de onde tive alta há duas semanas”, relembra. “Perdi o controle da minha vida por causa das drogas. Perdi o contato com a minha família. Antes, achava que estava tudo bem, mas isso não era verdade. Na minha cabeça, eu não tinha doença, mas a dependência química é uma doença do dia-a-dia, uma doença crônica, incurável e fatal. Não basta deixar de sair à noite para evitar recaídas. Tive uma quando estava assistindo ao filme do Ray Charles. Durante o filme, ele injeta droga. Eu vi e tive a recaída”. Casagrande também revelou a sua pior lembrança quando teve overdose diante do seu filho de apenas 12 anos. Ao todo, ele teve que ser internado quatro vezes por conta de overdoses, mas a última foi justamente a mais marcante. “Estava me preparando para ir jantar como o meu filho e ele me disse que ia tomar banho. Fui no banheiro e injetei, só que a quantidade era muito grande e tive overdose. Caí no chão e meu filho, de 12 anos ficou gritando tentando abrir a porta do banheiro, mas, como eu estava caído, ele não conseguia abrir. Até ouvia a voz dele, mas não conseguia me mexer. Fiquei frustrado. Essa é minha pior lembrança”, revela. O fim da carreira nos campos de futebol também piorou a dependência química de Casagrande, que buscava nas drogas a euforia que sentia nos estádios lotados. Mas, mesmo quando jogava, ele admitiu que já era usuário. “Quando jogava, não sabia que era dependente. Achava que era só parar. Quando joguei na Itália, fiquei limpo, mas no fim acabei voltando. Era fácil usar drogas porque não tinha exame antidoping. Usava para me divertir, não para jogar. Tudo piorou quando parei. Você perde aquela adrenalina, aquela euforia e fica o vazio. E isso aumenta a procura pela droga”. A sua recuperação fez também com que mudasse de idéia sobre a descriminalização das drogas no Brasil. “Já fui a favor da descriminalização das drogas, mas não sou mais. Ela não vai ser socialmente saudável para o país. O governo tem que ter outras preocupações como saúde e educação, por exemplo”.
12
12
** ** ** ** **
12
Garrincha completaria 75 anos neste sábado, e o Botafogo vai aproveitar a data para prestar uma série de homenagens àquele que é um de seus maiores ídolos. Por Por causa do Mané, a camisa 7 passou a ser um símbolo do Fogão e também sinônimo de sucesso. Maurício, autor do gol do título do Campeonato Carioca de 1989, que quebrou um jejum de 21 anos, Túlio Maravilha e Dodô são os principais nomes, vestindo a 7 alvinegra, dos últimos tempos. A sete que foi do Mané, atualmente é vestida pelo atacante Jorge Henrique. Ele está ciente da responsabilidade e se diz pronto para corresponder, ajudando o Botafogo a vencer o duelo que tem um significado muito especial. “Sempre preferi o número 7, e fico feliz por vestir a camisa que foi do Garrincha. A homenagem que o Botafogo fará é muito justa, e espero fazer uma grande partida contra o Santos”, afirma o atacante.